Me. Luciano dos Santos Melo

 

RESUMO:

O presente artigo analisa a pregação do apóstolo Paulo, tendo como fonte principal os registros que se encontram no livro de Atos dos Apóstolos. Busca demonstrar como o apóstolo se adequava às circunstâncias culturais, religiosas, políticas e outras na proclamação do evangelho. Além disso, pretende verificar como Paulo usava duas formas de pregar o evangelho de acordo com os seus ouvintes. Quando aos judeus a mensagem era apresentada de uma forma específica e quando eram gentios de outra. A pesquisa bibliográfica é a base deste artigo se utilizando de diversas obras e pesquisas teológicas sobre o apóstolo Paulo, sua vida, teologia, entre outras. Ao discorrer sobre tal assunto, o artigo pretende despertar interesse e novas perspectivas sobre as possíveis formas de proclamar o evangelho entre diferentes culturas, religiões e circunstâncias.

Palavras-chave: Paulo. Judeus. Gentios. Pregação.

 

INTRODUÇÃO:

A vida do apóstolo Paulo tem sido alvo de diversas abordagens de estudo. Numa perspectiva mais evangelística a pregação do apóstolo também se tornou objeto de análise. Afinal, ele percorreu o mundo romano de sua época proclamando o evangelho durante vários anos. Outro detalhe é que o anúncio foi feito em diferentes culturas, povos e circunstâncias. Além disso, dessas muitas pregações poucas foram registradas e que se encontram no livro neo-testamentário de Atos dos Apóstolos. No entanto, é através desse livro histórico que se pode verificar como eram as pregações do apóstolo e quais as suas estratégias no anúncio do evangelho. Conforme Rega, “nesse livro, existem apenas três delas registradas: duas dirigidas aos judeus e uma aos gentios”. Ainda assim, acredita-se que é possível extrair informações suficientes para conhecer mais sobre as pregações paulinas. Entre diversos estudos realizados no século XX foi publicado em 1936 um feito por C. H. Dodd a respeito da pregação dos apóstolos. Segundo Dodd, citado por Hawthorne, Martin e Reid a definição de pregação é “a proclamação pública do cristianismo ao mundo não cristão”. Ele chegou ao esboço da pregação primitiva comparando os sermões registrados no livro de Atos com os fragmentos de credo pré-Paulinos nas cartas de Paulo. Dessa forma, o que será feito aqui neste artigo é uma investigação através dessas principais fontes, isto é, o livro de Atos dos Apóstolos e as cartas paulinas. A ênfase recairá sobre o que conclui Rega quando afirma que “a pregação de Paulo era bidimensional e dirigida de maneira diferente aos judeus e aos gentios, tomando por base as diversidades culturais e religiosas”. Nesse caso, serão abordados aspectos como a forma e o conteúdo de suas mensagens quando dirigidas a cada grupos. Paulo, com sua personalidade forte e sua estatura intelectual, dedicou sua vida unicamente ao cumprimento da tarefa que lhe fora proposta na estrada para Damasco. Em todo esse tempo se dedicando ao evangelismo, passando por diversas cidades, tendo contato com diversas culturas, o apóstolo exercia muito bem esse seu dinamismo. De forma singela suas pregações tinham que ser amoldadas aos seus variados públicos e culturas para que a mensagem fosse recebida da forma mais clara possível. Posto isso, os temas a serem explicitados aqui serão as suas duas principais adequações ao longo de seu ministério, ou seja, a forma e conteúdo de proclamar o evangelho aos judeus e aos gentios.

 

CLIQUE AQUI PARA CONTINUAR A LEITURA